Blog Forense Financeiro

A Tecnologia pode Resgatar a Contabilidade de Sinistros CAT?
20 de Agosto de 2020 | By Devra Lake Passage

TECNOLOGIA PARA O RESGATE?

As soluções da Insurtech estão mudando rapidamente o “front end” da indústria de seguros – a forma como os segurados subscrevem e gerenciam suas apólices. Mas a tecnologia tem sido mais lenta para se infiltrar no “back end” do setor de seguros na amplitude que realmente deveria. Poderíamos argumentar que tem sido ainda mais lento impactar o lado forense do tratamento de sinistros de seguros, o que é uma realidade dolorosa para muitos em nosso ramo, que continuam dependendo de qualquer atualização que o Microsoft Excel possa oferecer.

Mas isto está começando a mudar.

Em nosso CAT Town Hall para a Indústria de Seguros de Julho de 2020, analisamos a fundo a evolução da tecnologia em contabilidade forense – especificamente no que diz respeito ao tratamento de grandes quantidades de pedidos de indenização que resultam durante eventos catastróficos (CAT), tais como furacões.

Como explicaram nossos palestrantes, Danielle Gardiner, Kyle Aldridge e Grant Mizel, existem essencialmente três elementos-chave que todo contador forense deve ter para administrar com sucesso o que pode ser 10 – 1.000 vezes a carga de trabalho regular durante um CAT. Como se entrega em escala diante destas circunstâncias? A tecnologia tem um papel claro a desempenhar. Mas será que a tecnologia forense está pronta para assumir o controle na medida em que outras tecnologias de IA e de machine learning tenham feito?

Com um grande volume de sinistros, nossos palestrantes explicaram que o sucesso de uma equipe de contabilidade forense se resume a alguns elementos-chave:

  1. Processo eficiente de triagem/avaliação
  2. Uso Eficaz da Tecnologia
  3. Pessoas, Pessoas, e Mais Pessoas

Vejamos cada um destes, por sua vez.

1. Um Processo Eficiente de Triagem / Avaliação

Quando uma catástrofe ocorre, uma seguradora pode ou não saber quais são suas necessidades no momento. Às vezes, ela tem o benefício de saber qual é sua exposição e às vezes ela evolui com o tempo à medida que as coberturas são determinadas e outros detalhes emergem.

De nossa parte, como contadores forenses, estamos focados em ajudar nossos clientes a avaliar rapidamente o escopo de cobertura e implementar um processo eficiente para selecionar os sinistros que surgem e aplicar pessoal para lidar com a carga de trabalho.

2. Uso da Tecnologia

O maior problema com as catástrofes é a dificuldade em lidar com o enorme volume de sinistros e de pagar aos segurados o dinheiro relativo aos eventos pelos quais foram afetados. Todo o processo de regulação é o que fica entre um segurado que foi afetado por um furacão e o pagamento da indenização conforme sua apólice de seguro.

A tecnologia introduz eficiências. Os processos simples, mundanos e repetitivos são os que procuramos replicar ou automatizar através da tecnologia. Atividades como o acompanhamento automatizado, a manutenção do status de sinistros e os processos de relatórios se beneficiam de nossa tecnologia e nos permitem oferecer uma abordagem consistente para o tratamento e a resolução dos sinistros.

3. Pessoas

Existem infinitas complexidades até mesmo para pequenos sinistros. Portanto, mesmo quando estamos introduzindo a tecnologia, não podemos substituir a expertise que se ganha ao interagir com segurados, compreender as empresas, fazer perguntas e resolver verdadeiramente os problemas do cliente. Essas são áreas onde a tecnologia não pode substituir o papel da experiência humana. Como contadores forenses, temos que entender o que gera receita, como a receita foi afetada pela perda e como essa perda é calculada sob a apólice que o cliente adquiriu.

Em resumo, aprendemos em nosso primeiro Town Hall que a tecnologia preenche as peças do quebra-cabeça de sinistros de CAT, ajudando-nos a ser mais eficientes na solução de problemas ao lidar com as tarefas repetitivas que nos afastam das questões mais relevantes. Assista ao vídeo deste evento sob demanda aqui.